Quem é da geração dos anos 90 sabe que o que hoje é definido como Bullying, antes não era assim. O comportamento era considerado como ‘zueira’ entre amigos e logo se voltava a brincar.

O que acontece então, com esse comportamento que antes era vivido e esquecido em seguida e hoje leva vários jovens a depressão e a morte?

O cenário atual é o principal diferencial que podemos pontuar. Antes o convívio das crianças era mais ativo entre amigos e familiares, e com a introdução da internet, aumento da violência na sociedade e as mães mais ativas no mercado de trabalho potencializou a falta de atenção e percepção na inteligência emocional das nossas crianças,  levando a intolerância nas diferenças e desrespeito ao espaço do outro. O que mudou no decorrer dos anos foi o comportamento dos pais com a escola, antes a última palavra era da professora ou professor e os pais aceitavam como apoio e hoje, temos a família que coloca e cobra a escola pela educação de seu filho e não se integra com esse processo. Claro não é algo generalizado, mas, é a maior realidade nas escolas públicas, onde mais ocorre registro de bullying.

A palavra principal é “atenção”. Ficar mais ligado aos nossos filhos, em seus comportamentos e de amigos. Saber no que acreditam, suas opiniões, medos e dificuldades gerando um ambiente acolhedor para que possam expressar e trabalhar as diferenças que encontram no seu cotidiano.

Ser a família que almejamos e que muitas vezes o tempo não nos permite ser!

Momento DTC – Juntos com você!